Ave Luz

Alegra-te cheia de graça!

 

Beato Bartolo Longo

6 de Outubro

Bacharel em Direito. Edificou o Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Pompéia em 1876 
Foi Beatificado por João Paulo II em 26 de Outubro de 1980. 
O Papa João Paulo II o cita muitas vezes em sua  Encíclica sobre o Rosário:Rosarium Virginis Mariae 

Bartolo Longo nasceu em Latiano, nas proximidades de Brindisi,  localizada no sul da Itália, em 10 de Fevereiro de 1841. Seus pais foram Bartolomeu (médico) e Antonia Luparelli (filha de um magistrado). Desde criança manifesta-se muito engenhoso, vivo e de caráter ardente. Aos seis anos foi levado a um internato dos Padres Escolapios, em Francavilla Fontana. Ali realizou os estudos primários e secundários (11 anos). O resto de seus estudos foram realizados em  Lecce e Nápoles. Aqui termina seus estudos de direito em 1864, aos 23 anos. Era de temperamento passional, sua estrutura o conduzia ao céu ou ao inferno; jamais a um lugar intermediário. Era elegante, bom moço e inteligente. 

Na Universidade segue a moda anticristã da  época e dedica-se à política, às superstições e ao espiritismo: chegou a ser "medium" de primeiro grau e sacerdote espírita. Foi seu tempo de alienação juvenil, de busca desenfreada. O estudo, as diversões, a música (tocava piano) e os amigos preenchiam seus dias. Não sobrava tempo para a oração. E Deus foi desaparecendo dia após dia. Por outro lado, a filosofia de Hegel e o racionalismo de Renan o tinham totalmente preso. Começou a odiar a igreja, organizando conferências contra ela e louvando aos que criticavam o clero. 

Esta experiência serviu-lhe paradoxalmente de degrau para redescobrir a fé definitivamente. Neste processo, foram instrumentos de Deus especialmente duas pessoas: um professor amigo (Vincenzo Pepe) e um sacerdote dominicano (o Padre Alberto Radente). 

Sua conversão, ocorrida no dia do Sagrado Coração de Jesus de 1865, na igreja do Rosário de Nápoles, o levou a tomar decisões radicais: abandonou a vida mundana e dedicou-se a obras de caridade e ao estudo da religião. Renunciando inclusive a propostas muito vantajosas para a vida matrimonial. 

Deus quis escolher este homem pecador como instrumento para propagar sua glória com a construção de um santuário dedicado à Santíssima Virgem Maria, que mais tarde será chamado Santuário de Nossa Senhora do Rosário de Pompéia. Ali outros pecadores iriam  encontrar perdão e paz. 

Em 1872  radica-se em  Pompéia por motivos profissionais: a condessa De Fusco confiou-lhe a administração de suas propriedades. Ficou profundamente impressionado com a miséria humana e religiosa dos pobres camponeses. A partir de uma inspiração especial decide se dedicar ao catecismo e à difusão do  Santo Rosário. 

Em 1876, por sugestão do Bispo de Nola, inicia a "campanha de um 'salário mensal'" para construir um templo em Pompéia. Como resultado da cooperação humana e da intercessão prodigiosa de Maria surge um formoso Santuário. E em torno a esta construção nasce uma cidade mariana, enriquecida com numerosos institutos de caridade. 

O "milagre de Pompéia" é  produto de cinqüenta anos de trabalho incansável, fervoroso e inteligente. Milhares de crianças abandonadas receberam ajuda, um lar. Milhares de pessoas se reuniram em oração, graças aos escritos de São Bartolo Longo. Milhões de peregrinos visitaram a Virgem em seu novo  Santuário. 

Em 1885, seguindo os conselhos de amigos e superiores, São Bartolo Longo contrai matrimônio com a condessa De Fusco, que assim se torna sua colaboradora fiel e generosa. Em 9 de Fevereiro de 1924 morre Mariana De Fusco aos 88 anos de idade, seguindo o santo italiano, dois anos depois, em 5 Outubro de 1926. 

Em 1934 tem inicia o processo canônico para a beatificação; em 1947 Roma emite o decreto de introdução da causa do  Servo de Deus; e em 26 de Outubro de 1980 João Paulo II o proclama Beato. "podemos dizer sem exagerar -afirma o Papa nessa oportunidade- que toda sua vida foi um serviço permanente à Igreja, em nome de Maria e por amor a Ela... O Rosário em suas mãos, também diz algo a nós, cristãos do Século. XX: "Oxalá volte a despertar sua confiança na Santíssima. Virgem do Rosário... Santa, venerada Mãe,  trago-te todas minhas preocupações, em ti deposito toda minha confiança, toda minha esperança!". 

Seu espírito 

Gabriel de Rosa, Professor da Universidade de Roma e Diretor do Centro de estudos de história do  "Mezzogiorno" (região central da Itália), considera que São Bartolo Longo foi um verdadeiro precursor da influência dos leigos na Igreja. "Sua construção -Santuário, Confraternidade, nova cidade- foi a resposta mais robusta e solene que um leigo católico poderia dar à cultura filantrópica da época ...". "Figura indubitavelmente excepcional de leigo católico, que não se deixou distrair pela grandiosidade de suas tarefas, pelo clamor, o consenso que estas suscitavam, e cujas resistências às insídias e aos ricos do mundo alimentou constantemente com exemplos nascidos de sua própria espiritualidade". 

Um traço marcante de sua personalidade foi seu profundo amor fiel à Mãe de Deus. Talvez este aspecto possa ser considerado como ponto de partida e fonte de sua fecundidade apostólica. Pelas inúmeras graças recebidas, que ele atribui todas a Maria, sente o irresistível desejo de corresponder "amando-a e louvando-a, e fazer com         que o os outros a amem e a louvem". 

Consagrou toda sua vida a seu serviço e à difusão de seu culto, especialmente o Santo Rosário. Começou fundando uma Fraternidade do Rosário, erigindo um simples altar onde reunia os camponeses, os instruía e lhes ensinava a rezar o rosário. Como viu que Deus abençoava o lugar em abundância, ocorreu-lhe a idéia de construir ali um templo à Santíssima Virgem, que atraía muitos fiéis. "Nem eu poderia deter os desígnios do Senhor, quando me vi no meio de tantos prodígios insólitos, que não sabia nem podia explicar racionalmente... Não vi melhor caminho senão continuar o que a Providência por si só estava fazendo". 

O santo italiano chega a Pompéia em 10 de Outubro de 1872. Nesse mesmo mês teve uma  experiência espiritual extraordinária: saiu para passear pelos arredores, e em um lugar  denominado Arpaia (onde atualmente existe uma pequena placa em memória), envolto em um profundo silêncio, absolutamente sozinho, lembra as palavras de seu confessor, o Pe. Alberto Radente: "Se quiseres salvar-te, propaga o Rosário. É promessa de Maria". 

São Bartolo Longo, transportado interiormente, levanta o rosto e as mãos aos céus e grita a Maria: "Se é verdade que tu  prometeste a Santo Domingo que quem propagar o Rosário se salva, eu me salvarei, porque não sairei desta terra de Pompéia sem ter propagado aqui teu Rosário". Nesse momento soou longe um sino, era a hora do Ângelus do meio-dia. O santo se prostrou, orou e chorou. Esse sinal foi para ele a resposta esperada. 

Pompéia era então um lugar abandonado e ignorado. Ainda não tinham sido feitas escavações realmente científicas das ruínas da Pompéia pagã. A região era temida pelos passantes, dado que ali se escondiam ladrões e malfeitores. 

Quando São Bartolo chegou pela primeira vez, foi escoltado da estação até a casa por dois homens armados com fuzil. Não havia polícia no  lugar. A única coisa importante era uma pequena igreja em muito mau estado. Conhecendo o que posteriormente surgiu ali, cabe a frase latina "Opera Dei ex nihilo". Deus cria sempre do nada. O simples altar iria se transformar  posteriormente em um célebre Santuário, que logo adquiriu caráter internacional; posto  imediatamente sob jurisdição do Papa, torna-se Basílica Pontifícia ( no final do século XIX). 

São Bartolo Longo organiza a primeira festa do Rosário no Vale de Pompéia, no ano seguinte após sua chegada a essas terras (Out. 1873). Havia visto a pobreza em que viviam o povoado da região e quis fazer algo por eles. Por isso, começou a visitá-los, percebendo sua profunda piedade e a respeito dos mortos (sua fé na imortalidade), viu que este eram enterrado sem orações e miseravelmente. Então, pensou que devia começar por ali e ocorreu-lhe fazer uma grande rifa de oitocentos prêmios: rosários, medalhas, fotos da Virgem do Rosário e centenas de crucifixos. Através destes prêmios Maria e Jesus entraram nessas pobres casas. 

Com uma Fraternidade do Rosário, prestaria assistência e remédio aos doentes, ajudar a casar os jovens pobres e dar sepultura aos mortos acompanhando-os e recitando o Rosário. Conseguiu em Nápoles tudo o que era necessário (algumas senhoras pias), preparou fogos artificiais, jogos e uma banda de músicos; elementos muito típicos de uma festa patronal. 

A missa cantada por um Pároco seria o central, e uma pregação sobre o Santo Rosário, a cargo de seu amigo e confessor, o dominicano Padre Alberto Radente. 

Como no povoado não se venerava nenhuma imagem, expôs uma da Virgem do  Rosário  para veneração pública e assim esperou a manhã do terceiro  domingo de Outubro. 

Chegou o tão esperado domingo, mas com ele uma chuva torrencial. Não houve festa. "Começamos mal-pensou são Bartolo-, parece que não agradou à Senhora o que fiz". Mas então reagiu: "Da minha parte não devo fazer outra coisa além de propagar o Rosário. Veremos se a Senhora mantém a promessa feita a Santo Domingo...". 

É sabido que o santo italiano não escreveu nenhum tratado sistemático de mariologia. Não existe uma "mariologia de B. Longo", mas sim toda uma catequese, uma devoção e espiritualidade de índole popular. Ali Maria é apresentada não como uma simples personagem do passado, mas como uma pessoa atualmente ativa, viva, dotada de sentimentos, forte e ao mesmo tempo maternal: "A Súplica  diz 'augusta, bendita, boa, querida, coroada, onipotente pela graça ' e a invoca como "Rainha da paz e do perdão, Mãe dos pecadores, nossa advogada nossa esperança...". Maria é para B. Longo o que ele  experimentou em sua vida: uma força salvífica, uma protagonista no plano de Deus, uma realidade que atua na história. Em sintonia com a piedade popular, são Bartolo exprime esta realidade vivente de Maria descrevendo os membros de seu corpo... as mãos, os olhos, os braços, o coração... Como pessoa "viva Maria age, salva, ilumina, perdoa". 

Com extraordinária visão pastoral, São Bartolo percebeu no ano seguinte que, festa, pregação, rifa, etc. eram como nuvem que passa... MAs, como induzir as pessoas ao amor e à fraternidade? Teve a idéia de fazer uma missão. E a missão se realizou no final de 1875: "todos se reconciliaram com Deus e entre si,  se aderiram à Fraternidade do Rosário" (fundada propriamente em 13.11. 1876). 

Em uma página de  "I Quindici Sabati" (Quinze Sábados) São  Bartolo Longo exprime com simplicidade um método de pastoral popular, da chamada mariologia tipológica: "... como dois amigos que andam juntos freqüentemente chegam a se parecer até mesmo nos seus costumes, assim nós, conversando familiarmente com Jesus Cristo e com a Virgem, ao meditar os mistérios do Rosário e formando juntos uma mesma vida na comunhão, podemos chegar a nos parecer com eles, o quanto a baixeza humana nos permita, e aprender... a vida humilde, pobre,... paciente e perfeita". O povo imita a pessoa que ama. 

Nesse mesmo a no chega pela primeira vez a Pompéia o bispo de Nola, para dar a Confirmação no final da missão. B. Longo  expressa seu desejo de construir um pequeno altar em honra à Virgem do Rosário, ao que o Bispo respondeu: "Eu proponho que façamos, em vez de um altar, uma igreja". E no telhado da casa da Condessa de Fusco, disse: "Aquele é  lugar onde deve ser edificado o templo em Pompéia". Quinze anos depois o templo estava construído, inconcluso ainda, mas já consagrado. Posteriormente o Papa Leão XIII o declarou patrimônio pontifício (1894). 

Longo afirma que Pompéia é obra de Deus e não do homem. Ele pessoalmente jamais teria construído tal Santuário sem a palavra autorizada do Bispo e o apoio incessante de Maria Santíssima. 

E a imagem da graça? 



Foi um presente do Padre Alberto Radente, que a comprou de um vendedor de rua por apenas 3,40 Liras. Estava  abandonada em um convento de freiras da Terceira Ordem de Santo Domingo, em Nápoles.        Quando Bartolo Longo chegou na manhã do dia 13 de Novembro de 1875 quase desesperado (porque no dia seguinte terminaria a missão e a imagem deveria se apresentada ao povo), em busca de um quadro pintado à óleo, a Providência saiu na frente: estava a ponto de comprar um pequeno por  400 Liras, quando inesperadamente encontra-se com o Pe Radente na praça, que ao saber da procura, lhe oferece o seu. 

Apesar de não ser do gosto de São Bartolo Longo, mas pressionado pelas circunstâncias e por insistência da religiosa que o guardava, sem saber o que fazer com ele, o colocou em um carro  e o enviou a Pompéia (isto nos lembra muitas das histórias e lendas sul-americanas de imagens de Maria transportadas em carros aos seus atuais centros de veneração). 

A simplicidade deste início humilde contrasta com a magnitude dos frutos sobrenaturais do lugar santo, tendo atravessado imensas dificuldades até chegar a seu desenvolvimento pleno. 

Isto pode ser sinal de uma correta interpretação da vontade de Deus, eu dessa maneira quis "beijar essa terra" para consagrá-la ao serviço dos homens. Deus renova assim originalmente seu pacto salvífico com os homens em um lugar e tempo determinado, através de instrumentos simples escolhidos por Ele. Já na  época de Bartolo Longo esta imagem atraiu milhares de  peregrinos de todas as partes: Madri, Liverpool, Coblenza, Bruxelas, Varsóvia, Viena, Suíça, África, Oceania, e toda a Itália. 

A primeira graça ocorre em Nápoles, no palácio da rua  Tribunali n° 62. Uma jovem sofria de epilepsia com fortíssimas convulsões  que se repetiam a cada três ou quatro dias. Através da Condessa de Fusco ficaram sabendo os familiares da igreja em construção dedicada à Virgem do Rosário e do que Deus já vinha fazendo no Vale. A tia da jovem promete uma peregrinação a Pompéia e sua colaboração na obra, se a sobrinha ficasse curada. A menina ficou totalmente curada e livre para sempre do mal que a acometia, a partir do dia 13 de Fevereiro de 1876. Dois médicos, que assistiam a jovem, foram testemunhas o ocorrido. 

A este primeiro acontecimento de graça sucederam vários outros com o correr do tempo. Em 18 de Julho de 1914 acontece na Alemanha um fato, que somado a outros, daria origem a um grande Movimento Internacional Schönstatt. Seu Fundador, o  Pe. José Kentenich (1885-1968) lê nesse dia um artigo de Cyprian Froehlich publicado em Die allgemeine Rundschau (num. 19, 521 ss) sobre são Bartolo Longo e sua criação predileta: o Santuário de Pompéia. J. Kentenich interpretou este fato como um sinal da Providência e meditou longamente sobre ele: Não poderia acontecer algo semelhante também em Schönstatt (Valendar)? Ele queria depositar toda a responsabilidade da formação dos jovens seminaristas nas mãos de Maria. Era então Diretor Espiritual do Seminário Menor dos PP. Palotinos. Os sinais do tempo, especialmente a segunda guerra mundial, exigiam deles (seminaristas e superiores) o máximo: a santidade. Não estaria nos planos de Deus - perguntava-se- que Maria, tal como havia ocorrido em Pompéia, fosse atraída à pequena capela de São Miguel, do vale de Schönstatt, para estabelecer ali seu trono de graça e mostrar-se como educadora, fazendo milagres de transformação interior? Três meses depois nasce Schönstatt, hoje difundido na Europa, Ásia, África, América e Austrália. É norma da Providência Divina valer-se do pequeno e insignificante para realizar grandes obras na história da salvação. A experiência de Pompéia serviu de inspiração e uma capela abandonada tornou-se logo um lugar de peregrinação. 

Em 15 de Agosto de 1877 sai à luz o primeiro devocionário "I Quindici Sabati" (Os Quinze Sábados). A um século de distância (1981) é publicada a  75a  edição, com 745.000 exemplares. Bartolo Longo não imaginava que esta obra sua teria tanta penetração popular. 

A "devoção dos Quinze Sábados" consiste em prometer a Deus a oração por 15 sábados consecutivos, em memória dos 15 mistérios do Rosário, a fim de honrar a Santíssima Virgem e obter por sua mediação alguma graça especial. 

Esta devoção  baseia-se em uma experiência francesa semelhante; tem uma dinâmica própria muito acertada: a) a perfeita devoção a Maria é a imitação de suas virtudes; b) para isso se medita sua vida, por ordem, um mistério em  cada sábado; c)  procura-se conformar a própria ação ao conteúdo de cada mistério, e assim; d) busca-se santificar todo o dia. Com esta prática São Bartolo buscou unir contemplação e ação. O ponto chave está na meditação dos mistérios.  Pretende-se assim evitar a repetição mecânica das Ave-marias. Pode-se rezar em qualquer tempo, mas especialmente antes da festa do Rosário (1o domingo de Out.) e antes de  8 de Maio, festa da Virgem de Pompéia. 

Aplica-se o seguinte esquema:

uma meditação (que sempre consta de três partes) sobre o mistério correspondente (ex. primeiro mistério gozoso, a Anunciação a Maria, Lc 1,26-55);  é ressaltada a virtude de Maria  (ex. a humildade);  recomenda-se um propósito na mesma  linha; segue então uma jaculatória a ser repetida durante o dia e poder assim lembrar o propósito. Em seguida propõe-se algumas orações à Virgem de Pompéia e à Virgem e a Jesus, para antes e depois da comunhão. Inclui-se  alguns exemplos de santos que encarnavam especialmente a virtude meditada no dia. Finalmente narram-se  breves histórias de graças concedidas pela Virgem do Rosário de Pompéia. 

O devocionário "Os quinze sábados" contém também um apêndice com várias orações (Missa com Maria Santíssima, o Rosário de forma breve, Novena à Virgem do  Rosário, orações a Santo Domingo e a Santa Catarina de Siena, Súplica à Rainha do Santo Rosário de Pompéia e uma oração final dedicada a São  Bartolo Longo). 

Como todos os fundadores da Igreja, Bartolo Longo não pôde se eximir das provações, que Deus quis enviar-lhe para forjar nele um verdadeiro espírito de fundador e para purificá-lo de critérios muito humanos em seu agir. 

Em uma primeira época da construção da igreja, dada a necessidade material para cobrir os custos, B. Longo viu-se obrigado a recorrer à nobreza napolitana. A dependência era considerável,  por ser praticamente a única fonte de entrada. 

Em Maio de 1877 deu-se um primeiro fato purificador que lhe ocasionou muitas dores de cabeça: aparece no cenário de Pompéia um fenômeno, a "Virgem Libertadora das Pragas" (Madonna liberatrice dai flagelli), simplesmente conhecida como  "Madonna dei Flagelli", abandonada em uma capelinha de uma vila chamada Boscoreale, da Diocese de Nola, a 4 Km. de Pompéia. Supostamente esta Madonna, segundo comentários do povo, teria feito um estrondoso milagre. A notícia correu de boca em boca, como é costume popular. E rapidamente começaram a aparecer milhares de peregrinos com velas e dinheiro para a  "Madonna dei Flagelli". Estas caravanas de peregrinos passavam por Pompéia sem se interessar pelo novo templo em construção e diante dos olhos de Bartolo Longo, completamente confundido. 

Como se isto fosse pouco, quando ia fazer sua costumeira coleta batendo na porta dos nobres de Nápoles, alguns lhe perguntavam: O senhor vai para Pompéia? Por favor, leve isto (e tiravam suas jóias: colares, braceletes, anéis, etc.) à "Madonna dei Flagelli"; ela me deu uma graça especial. 

Como se isto ainda fosse pouco, o Bispo de Nola (Dom Formisano) protestou que tivesse mais saídas que entradas na construção,  desentendeu-se da obra deixando apenas São Bartolo, e... como cúmulo, escreve uma carta pastoral ao clero e ao povo de sua Diocese para motivá-los a fazer doações para uma nova igreja dedicada à "Madonna dei Flagelli" de Boscoreale. 

Estocada profunda no coração de Bartolo Longo, que não esmorece em seu espírito de fundador. Como homem de Deus tira proveito dessas provações. Anos depois escreve estas recomendações a todas aquelas pessoas chamadas por Deus a salvar almas, a construir igrejas, a fundar ordens, comunidades religiosas e obras de caridade: "Não se desanimem diante das primeiras dificuldades e não deixem a obra de Deus por causa de mortificações e contrariedade que, com toda certeza, virão da parte dos homens e do  demônio. Continuem confiando sempre no socorro divino, tendo como lema, que quanto mais aceita seja a obra de Deus, tanto maior serão as oposições e as  tentações que devem ser suportadas, mas que no final o Senhor triunfará". 

As obras de Pompéia 

Os institutos em Pompéia são, por assim dizer, a coroa do Santuário de Pompéia. O amor a Maria se expressa no amor aos homens. A fé se projeta em obras. "A Virgem não quer em vocês a fé sem obra de caridade... Neste sentido pensamos completar cada ato de fé nossa com uma obra de caridade... Isto é, podemos dizer, a batida mais íntima de nosso coração". 

Fé e caridade integram-se e iluminam-se; são para Bartolo Longo um binômio indissolúvel: "As obras da fé foram sempre uma inspiração para obras de caridade, e as obras de caridade, por sua vez, foram sempre prelúdio de novas manifestações de religião e de culto". 

O foco predileto das obras de Pompéia são as crianças e jovens, órfãos e filhos de encarcerados. Não há  limite de permanência nos Institutos. Uma administração central que distribui eqüitativamente as ofertas do Santuário (única fonte de entrada) se encarrega do mantenimento. 

Antes de enumerar as obras de Pompéia, sintetizamos os pontos ressaltantes do projeto de promoção humana de Bartolo Longo: 

§ A fonte: "A caridade de Cristo, que é fogo vivo, busca expandir-se sobre a terra e não tem horizontes". 
§ A Mediadora: "A Rainha da Misericórdia... que introduziu em meu coração a santa resolução de unir ao culto a beneficência". 
§ Humilde realismo: "Um voto secreto da alma, que fazia tempo guardávamos zelosamente no coração com uma perplexidade, às vezes dolorosa, que nasce do ardente desejo de realizá-lo, e da evidente insuficiência, e, diria quase, impossibilidade dos meios ...". 
§ Os destinatários: "As crianças mais abandonadas (filhos de presos)... que vivem em condições piores que dos órfãos... que carregam sem culpa a marca da infâmia... sem educação e sem freio... que em pouco tempo irão para o vício e depois para o crime". 
§ A finalidade: "A educação moral e civil dos filhos de encarcerados". 
§ A idéia central: Os positivistas afirmam que estas crianças nascem e estão fatalmente destinadas a percorrer (como seus pais) o caminho da delinqüência, que nenhuma prevenção, nenhuma educação pode tirá-las desse trágico fim. A isto São Bartolo Longo responde: "Nós não acreditávamos na onipotência do mal; acreditamos sim na força redentora do bem e na eficácia renovadora da educação". 
§ A novidade: "Esta é uma obra cristã totalmente nova... que não existe na França, nem na Bélgica nem em outras nações católicas. A Itália seria a primeira a possuí-la".

São Bartolo Longo ressalta quatro meios pedagógicos na formação da infância e da juventude, que se enquadram a um fim moral e espiritual: 

§ O trabalho: "O trabalho, segundo nossa escola, é essencialmente educador: refreia o instinto relaxado, educa à paciência, à obediência, ao respeito aos superiores e à autoridade; emancipa o homem da escravidão e do servilismo; faz com que o homem seja verdadeiramente livre". "Concordo com que o mero trabalho não seja meio que possa educar: eu associo o trabalho com a oração; elevo o trabalho a oração". "Além disso, o trabalho é fonte de bem-estar social: suprime a praga social da mendicidade; a família do homem que trabalha é honesta; ao contrário do homem que não trabalha se acomoda no ócio, e o ócio é pai dos vícios. O trabalho é causa de economia doméstica; é fonte de paz e de união no lar. O trabalho enobrece o homem". 
§ O estudo: não tanto como adorno intelectual, "para instruir mentalmente, mas para harmonizar a cultura da mente com a do coração, o sentimento do dever e a lei do trabalho; tudo sustentado e vivificado pela religião ...". 
§ A música: "Em meu método educativo é momento muito importante coordenar a fadiga..., ou o exercício da arte mecânica com o estudo da música, ou com o estudo de instrumentos musicais... Em geral a música é para mim um elemento dos mais relevantes para a educação desta classe de crianças". 
§ A educação física: coordenada com as outras atividades. 

Isto constitui o núcleo de toda sua concepção educativa. Mas como elemento essencial de sua pedagogia permanece a caridade, o amor nobre, puro, divino. Como em toda a tradição cristã, insiste no encontro de duas vontades livre, unidade em um amor recíproco e em um amor comum a Cristo: "Ama teu educador, porque ao te educar ele te ama, e porque representa a pessoas de Jesus Cristo. Ama, instrui e salva o pobre e o abandonado, porque representa a pessoa de Jesus Cristo ". 

Sob esta perspectiva devem ser contempladas as obras de Pompéia, que passamos a enumerá-las em ordem de aparição. 

1 - A revista "Il Rosario e la Nuova Pompei", fundada por B. Longo em 1884. Na primeira página afirma o seguinte: É um obséquio de B. Longo aos devotos da Virgem do Rosário de Pompéia, aos amigos e mantenedores de suas obras. É o órgão formativo e informativo do Santuário. 

2 - O Orfanato Feminino. É o primeiro dos institutos de beneficência surgido à sombra do Santuário. Sua data de fundação (8.V.1887) coincide com a primeira coroação da Virgem do Rosário. Por uma inspiração sobrenatural, B. Longo decidiu criar ao lado do monumento à fé (o Santuário) um monumento à caridade: nesse dia acolheu à primeira órfã. 

3 - O Instituto Masculino de B. Longo. Acolhe a uns 300 jovens, sob a orientação dos Irmãos da Escola Cristã. Sua origem se remota ao ano de 1891. 

4 - As "Irmãs Filhas do Rosário de Pompéia". Fundadas por B. Longo em 1897, segundo as regras da Terceira Ordem de Sto. Domingo, para dedicar-se ao cuidado das crianças e as jovens. É um dos poucos casos na história da Igreja, onde  leigo torna-se fundador de uma comunidade religiosa. São atualmente mais de 100. 

5 - O Instituto Feminino "Sagrado Coração". É a última promessa do Beato B. Longo convertida em realidade. Data do ano 1922. 

6 - O Seminário "Bartolo Longo". Ali se formam os futuros sacerdotes para a assistência religiosa de milhões de peregrinos e a formação cristã dos alunos dos diversos Institutos. Surgiu em 1949. 

7 - A Fundação "Mariana De Fusco-Longo". Leva o nome da esposa de B. Longo e foi inaugurada em 1965. Seu objetivo é acolher mulheres que decidem viver em Pompéia os últimos anos de sua existência. 

Carisma de Pompéia 

Sem  lugar a dúvidas tem uma dupla vertente: o culto a Maria e as obras de misericórdia, intimamente unidos. 

A primeira coisa que expressa, principalmente, na devoção do Rosário, não como oração qualquer, sem como fundamento da busca particular do homem da intercessão da Mãe de Deus. Isso traz consigo a conversão, o espírito de oração e as obras de caridade. 

Sobre as obras de misericórdia, pareciam ser  o mais típico de Pompéia. Não existe praticamente algo semelhante em outros centros europeus de peregrinação. O binômio fé e caridade, culto e misericórdia, é carisma específico transmitido por São Bartolo Longo e que, para bem de tantos homens, perdura em Pompéia. 

Fonte: www.santuario.it 

Página Oficial do Santuário de Pompéia, Itáli
a.

 

NOVENA A NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DE POMPÉIA

Celebrante: Ó Deus, vinde em minha ajuda;  
Resposta: Ó Senhor,apressai em me ajudar. 
Celebrante: Glória ao Pai etc. 
Resposta: Como era no princípio etc.

1. Eis-me aos pés da Imaculada Mãe Jesus , invocando a Rainha do Rosário que esteja presente no Vale de Pompéia . Com alegria em meu coração e minha mente repleta de gratidão volto a vós que sois a minha generosa benfeitora , Rainha de meu coração , vós que sois minha verdadeira Mãe . Eu estava cheio de gemidos e vós ouvistes  os meus gritos , eu estava aflito  e vos me destes conforto , eu estava no vale escuro da morte e me destes paz . As tristezas e dores  de minha alma , querida Mãe , de vosso trono , com um olhar de pena me fizestes sereno . Quem tem demonstrado confiança a Vós  sem ter sido socorrido ?Se o mundo inteiro soubesse como é grande a vossa bondade e compaixão para aqueles que sofrem , todos recorreriam a Vós .Sejais sempre abençoada Ó Virgem e Rainha de Pompéia, por mim e por todos , homens e anjos , na terra e no céu .

Gloria ao Pai; Ave Maria , Salve Rainha

2. Eu agradeço a Deus e a vós, ó Mãe de Deus , pelas bênçãos que foram enviadas pela vossa bondade . Que destino teria sido o meu se vós tivésseis rejeitado os meus suspiros e lágrimas ! Deixem os Anjos do paraíso , o coro glorioso dos Apóstolos , o nobre exército dos mártires , a banda santa das Virgens e Confessores agradecerem em meu nome . Deixem as muitas almas dos pecadores, salvos pela tua intercessão, que agora desfrutam a visão da tua beleza no Céu, dar graças a vós em meu nome .Eu gostaria que todas as criaturas pudessem vos amar em comunhão comigo e que o mundo inteiro pudesse repetir o refrão dos meus hinos de agradecimento . O que eu posso render a ti , ó Rainha , rica em misericórdia e magnificência ? O que resta da vida eu dedico a ti  e para a difusão da devoção , ó Virgem do Rosário de Pompéia, através da invocação da graça do Senhor  que me visitou .Eu estenderei a devoção do Rosário , eu direi aos homens sobre a tua misericórdia , eu proclamarei a tua bondade para comigo, para os outros pecadores , indignos como eu , possam transforma-te uma confiante protetora.

Gloria ao Pai, Ave Maria , Salve Rainha

3. Por qual nome devo chamar-te , ó pomba branca da paz ? Sob qual título eu devo chamá-la a quem os Sagrados Doutores tem chamado de Ministra da Criação , o portão da vida , o templo de Deus , o palácio de luz , a glória dos céus, a Santa das Santas , a maravilha das maravilhas , o paraíso do Deus Altíssimo ? Tu és o tesouro das graças divinas, resposta à oração onipotente, ou melhor a misericórdia de Deus, que é mostrada para o infeliz. Mas eu sei também que é agradável ao teu coração, ser invocada como a Rainha do Rosário, no Vale de Pompéia . E como te saudar por este título, eu percebo a doçura do nome místico, ó rosa do paraíso, transplantada para este vale de lágrimas, para adoçar nossas misérias que são banidas dos filhos de Eva;rosa vermelha da caridade mais perfumada do que todas as especiarias do Líbano , que pelo perfume da tua doçura celeste desenhar o coração dos pecadores para o Coração de Deus neste Vale de Pompéia . Tu és a rosa de frescura eterna, regada por riachos de água do céu; puseste tuas raízes em uma terra árida pela chuva de fogo, tu és uma rosa de beleza imaculada, que , em um lugar de desolação tu plantaste um jardim das delícias do Senhor . Que Deus seja louvado , que fez o teu nome tão maravilhoso ! Abençoai as pessoas que bendizem o nome da Virgem de Pompéia, pois toda a terra está cheia de sua bondade.

Gloria ao Pai , Ave Maria , Salve Rainha

 4. No meio da tempestade que tomou conta de mim , eu levantei os meus olhos para ti , tu és a estrela da esperança que tem aumentado nestes últimos dias sobre o vale da ruína. Das profundezas da minha amargura eu levantei minha voz a ti , ó Rainha do Rosário , e eu senti o poder desse título tão querido para ti . Salve , eu nunca choro , ó Mãe de Misericórdia, insondável oceano de graça, o mar de bondade e compaixão ! Quem será digno de cantar as glories do Rosário , as vitórias do teu terço ? Neste vale , onde satanás devorou almas nos tempos antigos , tens preparado uma salvação para um mundo que está rasgando os braços amorosos de Jesus , a fim de lançar no abraço mortal de satanás..Triunfantemente os fragmentos dos templos pagãos atropelam os teus pés , e sobre as ruínas da antiga idolatria tu tens estabelecido o trono do  teu  domínio imperial .Tu mudou o vale da morte em um vale de ressurreição e de vida , e em uma terra dominada por teu inimigo , tu construíste uma cidade de refúgio onde tu recebes o teu povo em segurança . Eis que os teus filhos , espalhados por todo o mundo , tem erguido teu trono por lá , como um memorial de tuas misericórdias. De tudo o que tens, teu trono me chamou para estar entre os filhos de tua predileção ;  o teu olhar misericordioso tem descansado  sobre mim . Possa tuas obras serem louvadas para sempre , ó Senhora , e louvado seja as maravilhas deste mar de desolação e morte .

Gloria ao Pai , Ave Maria , Salve Rainha

5; Deixe todos falarem a língua da tua glória, querida senhora e deixar que o acordo harmonioso de nossos sons de louvores vá de noite até a manhã. Todas as gerações poder chamar-te abençoada e pode todas as coisas da terra e todas as mansões do céu ecoam o hino de louvor . Não , eu vou te chamar três vezes abençoada , em união com os Anjos e Principados, três vezes abençoada, com os poderesangelicais , com as virtudes do céu , com as dominações sublimes ;mais abençoada que te anunciarei no trono com os Querubins e Serafim . Ó Rainha da Salvação, não deixes de girar os teus olhos por piedade sobre esta tua família, a esta nação , sobre a igreja universal . Acima de tudo, não negue a maior das graças , isto é , não deixes que a minha fragilidade me separe de ti . Fazei com que eu possa perseverar até o fim , no amor e na fé com que minha alma está pegando fogo neste momento . Conceda que todos nós possamos reunir no teu santuário de Pompéia para sermos um dos números eleitos.Carrego o terço de minha Mãe em meu peito num espírito de profunda reverência. Tu és o caminho que conduz à realização de todas as virtudes, o tesouro dos mérito s para o paraíso, o penhor da minha predestinação, uma fonte de paz para todos os que te dão a devida honra nesta vida. Nessa hora eu olho para ti , ó Mãe, tú és o sinal de minha salvação, teu Rosário vai abrir as portas do paraíso .
Amém .

Gloria ao Pai , Ave Maria , Salve Rainha 

Celebrante : rogai por nós, ó Rainha do Santo Rosário ;
Resposta : para que sejamos dignos das promessas de Cristo .

Oremos :

Ó Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo , que nos ensinou a vos chamar e confiar em vós: Pai nosso que estais no Céu ! ah, Bom Senhor , a quem pertence a tua misericórdia e perdão , atendei-nos , por intercessão da Imaculada Virgem Maria , para  a glória do título de filhos do Rosário, o nosso humilde agradecimento aos dons que recebemos de Ti , fazei com que o santuário que criaste em Pompéia seja cada vez mais glorioso e duradouro através dos mperidos de Jesus Cristo , Nosso Senhor .
Amém .

GLÓRIA

Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora e sempre .
Amém .

SALVE RAINHA  

Salve Rainha , Mãe de Misericórdia , vida , doçura e esperança nossa , salve. A Vós bradamos , os degredados filhos de Eva, a Vós suspiramos, gemendo e chorando neste Vale de Lágrimas. Eia , pois, advogada nossa , esses Vossos olhos misericordiosos a nós volvei ! E depois desse desterro, mostrai-nos Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa, ó doce Sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus ,
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo .
Amém .

 

Súplica a Rainha do Santo Rosário

Ó Rosário bendito de Maria, doce cadeia que nos prende a Deus, vínculo de amor que nos une aos Anjos, torre de salvação contra os assaltos do inferno, porto seguro no naufrágio geral, não te deixaremos nunca mais. Será nosso conforto na hora da agonia. Seja para ti o último beijo da vida que se apaga. E a última palavra dos nossos lábios há de ser o vosso nome suave, ó Rainha do Rosário de Pompeia, ó nosso Mãe querida, ó Refúgio dos pecadores, ó Soberana consoladora dos tristes. Sê bendita em toda parte, hoje e sempre, na terra e no céu.
(Bem-aventurado Bártolo Longo, apóstolo do Rosário)

Exibições: 1654

Respostas a este tópico

Em 1999 tive contato com o Santuário e recebi a doação de um quadro de Nossa Senhora para o então "Museu de Devoção Maria" que fazia aqui em Pirenópolis. Infelizmente não pude continuar com o Museu nos anos seguintes e doei o quadro para a Paróquia N. Sra do Rosário daqui de Pirenópolis. O quadro encontra-se na secretaria da Paróquia...

Acho interessante a história do Beato Bartolo e até me identifico. Ele era um buscador, nota-se logo ao lermos que antes de ser católico e devoto de Nossa Senhora era praticante do espiritismo. Sua busca espiritual o levou a Nossa Senhora, ou...Nossa Senhora, que é Mãe da Humanidade, sempre o acompanhou em sua jornada espiritual.

Ao cuidar e propagar a devoção a Nossa Senhora de Pompéia, ele não desistiu perante as dificuldades. Ele poderia ter desistido e até considerar-se equivocado ao considerar desejo de Deus a edificação do Santuário achando ser desejo dele.

Lemos:

Como no povoado não se venerava nenhuma imagem, expôs uma da Virgem do  Rosário  para veneração pública e assim esperou a manhã do terceiro  domingo de Outubro. 

Chegou o tão esperado domingo, mas com ele uma chuva torrencial. Não houve festa. "Começamos mal-pensou são Bartolo-, parece que não agradou à Senhora o que fiz". Mas então reagiu: "Da minha parte não devo fazer outra coisa além de propagar o Rosário. Veremos se a Senhora mantém a promessa feita a Santo Domingo...". 

 

Depois, penso que ele foi testado, provado, lapidado mais uma vez quando começa a se espalhar os milagres e a devoção de Madonna dei Flagelli. Lemos:

Em Maio de 1877 deu-se um primeiro fato purificador que lhe ocasionou muitas dores de cabeça: aparece no cenário de Pompéia um fenômeno, a "Virgem Libertadora das Pragas" (Madonna liberatrice dai flagelli), simplesmente conhecida como  "Madonna dei Flagelli", abandonada em uma capelinha de uma vila chamada Boscoreale, da Diocese de Nola, a 4 Km. de Pompéia. Supostamente esta Madonna, segundo comentários do povo, teria feito um estrondoso milagre. A notícia correu de boca em boca, como é costume popular. E rapidamente começaram a aparecer milhares de peregrinos com velas e dinheiro para a  "Madonna dei Flagelli". Estas caravanas de peregrinos passavam por Pompéia sem se interessar pelo novo templo em construção e diante dos olhos de Bartolo Longo, completamente confundido. 

 

Nem isso o fez desistir de sua Missão!

Beato Bartolo, rogai por nós!

Nossa Senhora do Rosário de Pompéia, rogai por nós!

 

RSS

© 2019   Criado por Regina Maria.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço