Ave Luz

Alegra-te cheia de graça!

NÃO TENHA MEDO

Quando nos defrontamos com Jesus, sempre tomamos uma de três posições: a favor, indiferente ou contra. Jesus nos adverte que “quem não está com Ele, está contra Ele. Quem com Ele não ajunta, espalha” (MT 12,30). Em Ap 3, 14-16, avisa ao Anjo de Laodicéia: “Assim fala o Amém, a Testemunha fiel e verdadeira, o Princípio da criação de Deus. Conheço tua conduta: não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, nem frio nem quente, estou para te vomitar de minha boca”.

Estamos diante de Jesus. Devemos tomar uma posição. Deve ser agora, não pode ser depois. Depois é um momento que não existe. Podemos não estar mais vivos na carne depois. Estamos vivos agora. Já estivemos vivos antes (desde nossa concepção até agora). Qualquer que tenha sido a opção que tenhamos tomado, foi-nos dado um tempo suplementar, que é o agora, hoje. O antes já não existe. O amanhã também ainda não existe. Não podemos preocupar-nos com o que ainda não existe. Então, neste agora, que é o único tempo que temos, qual é a opção? Quando nos encontrarmos com Jesus, deveremos apresentar-lhe a contabilidade de nossa vida: qual será a diferença entre “sims” e “nãos”? E o tempo de indiferença, durante o qual Ele estava por nos vomitar de sua santíssima boca e se não o fez, foi por ser Ele a misericórdia infinita?! Ele é a misericórdia infinita, mas, também, a justiça infinita, verdade infinita e santidade infinita.

Para dizer “sim” a Ele, agora, devemos permitir-lhe arrancar-nos do mundo; vai podar todo o excesso de “ramos” que não dão frutos e vai-nos enxertar em Si, a Videira da nova Vida. Ao entregarmo-nos a Ele, para que nos enxerte, quer pelo sacramento do batismo, quer pelo sacramento da penitência, ficaremos felizes por poder lançar fora toda a bagagem de velhos costumes, velhos vícios, velhas conversas. “Devemos deixar para trás toda a bagagem inútil que nos impede de sermos enxertados.” (Pe. Teodósio Cesar de Aquino).

Olhando certos mendigos de rua, vemos que eles carregam um monte de sacos e tralhas, pois ali está toda a sua fortuna. Mas toda essa fortuna é só tralha. Eles poderiam ir aos albergues e banhar-se, receber roupa limpa, refeições, acolhimento, dignidade, trabalho... Mas isso exige uma séria mudança, e muitos não a querem, preferem continuar por toda a vida carregando tralhas. Isso tudo, essa mudança toda que nos é

exigida nos dá grande medo. Dá grande angústia, saudade do que foi deixado atrás. Temos medo de deixar aquilo que entendíamos como certo, e que o mundo sempre nos apresenta como certo, para mergulhar em águas (do batismo, da aceitação incondicional de Jesus) que não conhecemos.

Por isso, através de Paulo (Cl 3, 5-11; Rm 12,2; Ef 2,15; 2Cor 5, 17), Jesus nos adverte que devemos desvestir-nos do homem velho, com suas práticas e revestirmo-nos do homem novo, que se renova para o conhecimento segundo a imagem de seu Criador. E nessa mudança, nessa conversão, novamente Ele nos adverte: “quem põe a mão ao arado e olha para traz não é apto para o Reino de Deus” (Lc 9, 62).

Jesus , porém, não fica apenas nessas advertências sérias.

Enquanto no-las faz, urgindo-nos, estende-nos sua mão, Ele sorri e nos acolhe, e, como aos apóstolos, que navegavam em águas agitadas pelo vento, numa determinada madrugada e vendo-o andar sobre essas águas gritavam de medo, Ele simplesmente nos diz: “Tenham confiança, sou Eu, não tenham medo” (Mt 14, 25).

A Zacarias, quando “vê o Anjo do Senhor, de pé, `direita do altar do incenso, Deus diz: ‘Não temas, Zacarias, porque tua súplica foi ouvida...” (Lc 1, 13) Identicamente a Maria, quando o Anjo Gabriel lhe anuncia que será mãe do Salvador, ela que havia feito voto de virgindade e de consagração perpétua ao Senhor, o Anjo lhe diz: “Não temas, Maria! Encontraste graça junto de Deus” (Lc 1, 30). “José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo” (Mt 1,20). Na noite do nascimento de Jesus, o anjo aparece aos pastores: “Não tenham medo! Eis que eu lhes anuncio uma grande alegria...” (Lc 2,10). Depois da pesca milagrosa, Pedro ficou com medo e atirou-se aos pés de Jesus. E Ele lhe diz: “Não tenha medo, Pedro! Doravante serás pescador de homens”. (Lc 5,10). Falando que devemos abandonar-nos nas mãos da Providência: as aves não semeiam e não colhem e Deus as alimenta e que os lírios vestemse mais belamente do que Salomão... Ele conclui: “não tenha medo, pequenino rebanho, pois foi do agrado do Pai dar-lhes o Reino!” (Lc 12, 22- 32). “Não tema, filha de Sião! Eis que vem teu rei montado num jumentinho! (Zc 9,9). Ao chefe da sinagoga, Jairo, quando os seus lhe disseram que sua filha havia morrido, que não necessitava mais importunar o Mestre em busca de cura, Jesus, o Mestre, lhe diz: “não temas, Jairo, crê somente e ela será salva!” (Mc, 5,36; Lc 8,50). Na transfiguração, no monte Tabor, diante de Pedro, Tiago e João, “os discípulos, muito assustados, com o rosto no chão, Jesus chega-se perto deles e, tocando-os, disse: levantem-se, e não tenham medo” (Mt 17,6-7). “Não tenham medo, sei que estão procurando Jesus, o crucificado, Ele não está aqui, pois ressuscitou como disse, diz o Anjo às mulheres que foram embalsamar Jesus, no primeiro dia da semana, após sua morte”. (Mt 28, 5). Ao despedir-se dos apóstolos, depois de ter advertido Pedro sobre sua tripla negação, Jesus nos tranqüiliza: “Não se perturbem os seus corações! Vocês crêem em Deus, creiam também em mim” (Jo 13,38-14,1).

João, o apóstolo, conta: “quando estava preso na ilha de Patmos, no dia do Senhor, fui movido pelo Espírito e ouvi atrás de mim uma voz forte. ao voltar-me, vi sete candelabros de ouro e, no meio dos candelabros, alguém semelhante a um filho de Homem, vestido com uma túnica longa e cingido à altura do peito com um cinto de ouro. Ao vê-lo, caí como morto a seus pés. Ele, porém, colocou a mão direita sobre mim assegurando: Não temas! Eu sou o Primeiro e o Último, o Vivente, estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos, e tenho as chaves da Morte e do Hades (a mansão dos mortos)” (Ap 1, 9-16).

Ele não nos estende a mão e nos acolhe só e simplesmente. Ele faz mais! Do terraço de sua casa, que é a casa do Pai, Ele olha o caminho por onde deveremos voltar para Ele, e nos aguarda. No primeiro instante que nos vislumbrar no caminho de volta, não ficará lá, parado, esperando que cheguemos, “virá ao nosso encontro, correndo, lançar-se-á ao nosso pescoço e nos cobrirá de beijos” (Lc 15, 20), para devolver-nos a nossa dignidade, para “revestir-nos com a melhor túnica, colocar o anel em nosso dedo e calçados nos nossos pés” (Lc 15, 22) e, acima de tudo, dar-nos aquele abraço longo, apertado, tão apertado que fará dos dois corações um só coração, numa paz de amor que nunca deverá acabar. “Fará uma festa, porque estávamos mortos e tornamos a viver, estávamos perdidos e fomos encontrados”! (Lc 15, 24).

Precisamos não ter medo de largar todas as nossas tralhas que carregamos. O que vamos receber é muito mais que isso! Vamos receber nossa dignidade de filhos de Deus, e a vida eterna!

Não precisamos ter medo de Jesus, porque Ele está nos esperando para vir ao nosso encontro. “Eu estarei com vocês todos os dias, até a consumação dos séculos! (Mt 28,20). “Vocês não sabem que devo estar na casa de meu pai”?” (Lc 2, 49). Vamos! “Lá o veremos, como nos tem dito!” (Mc 16, 7).

texto de Walter Uhle Filho 

http://www.facebook.com/walteruhlefilho

 

 

 

Exibições: 683

Comentar

Você precisa ser um membro de Ave Luz para adicionar comentários!

Entrar em Ave Luz

Comentário de Turibia Gomes de Oliveira em 13 setembro 2012 às 20:50

CONFIEMOS INCONDICIONALMENTE NO MESTRE DOS MESTRES.

SÓ ELE É O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA!!!!

MUITA PAZ E LUZ.

OM SAI RAM

Comentário de Roseleila Sousa Oliveira em 13 setembro 2012 às 5:56

MUITO LINDA! NOS PRECISAMOS CONFIAR MAIS EM JESUS.

Comentário de Silvia Maria Lauermann em 11 setembro 2012 às 20:56

Temos  medo,  mas  Deus  nos  ajuda.

Comentário de Elizabeth Bernardo em 11 setembro 2012 às 19:22

BELO TEXTO. PRECISAMOS TER FÉ EM DEUS, PARA NÃO  TERMOS MEDO E ASSIM PODERMOS SUPERAR NOSSAS DIFICULDADES.

Comentário de carmelita vida é arte em 11 setembro 2012 às 19:17

amém

Comentário de Maria Aparecida Ricardo em 11 setembro 2012 às 18:38

Jesus eu confio em Vós!

Comentário de mel farias em 11 setembro 2012 às 17:03

obrigada! abraço

© 2019   Criado por Regina Maria.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço