Ave Luz

Alegra-te cheia de graça!

Já imaginou se, ao praticar sua fé, você corresse risco de morte? É exatamente isso que os cristãos na Nigéria estão passando. Muitos são mortos durantes as missas dominicais ou em suas casas, quando não participam das orações dos muçulmanos. Enquanto para nós, aqui, é fácil sermos cristãos, entre os Nigerianos isso é um ato de coragem e... possível morte por martírio! 

Nesta semana AVE LUZ convida a todos os devotos de Nossa Senhora para oferecerem orações pela Nigéria, pela PAZ NA NIGÉRIA. Ofereça um terço ou um rosário, na hora da Misericórdia - 15 horas - ofereça  o seu terço da Misericórdia pela PAZ NA NIGÉRIA.

Que Nossa Mãe proteja todos os cristãos nigerianos da fúria dos radicais do grupo terrorista Boko Haram.

O vídeo abaixo é sobre um massacre de 2010:

Os cristãos perseguidos na Nigéria

A Nigéria corre o risco de uma guerra civil entre cristãos e muçulmanos, provocada pelo grupo terrorista muçulmano Boko Haram, que pretende impor a sharia (lei muçulmana) neste país centro-africano, e que desde 2010 já fez 1.400 mortos nesta nação.

 Perante o perigo de que esta guerra civil aconteça, D. Ignatius Kaigama, arcebispo da cidade de Jos, e presidente da Conferência Episcopal Nigeriana, pede às autoridades que actuem para evitar o conflito, e denuncia que muitos cristãos estão fugir do norte, predominantemente muçulmano, para o sul maioritariamente cristão, e que muitos deles deixaram de praticar a sua fé em público, com medo das represálias e inclusivamente de porem em risco a própria vida. Segundo declarações do arcebispo: «Não podemos sair em procissão pelas ruas, por exemplo no Corpo de Deus e temos que celebrar a "Missa do Galo" ao meio-dia, por razões de segurança».

D. Ignatius Kaigama esteve recentemente em Roma para receber um prémio pelos seus esforços por encontrar uma solução não violenta para os problemas que sofre a Nigéria.

Com 148 milhões de habitantes, a Nigéria é o país mais populoso da África

L

Em declarações proferidas numa entrevista que ele concedeu à revista Vida Nueva, afirmou que «a situação é tensa, devido ao Boko Haram que não tem nenhum respeito pela vida. Dedicam-se a matar, dizendo que o fazem em nome de Deus. Pretendem que toda a gente se converta ao Islão e siga a sharia. As acções do Boko Haram fazem com que as pessoas andem com medo nas ruas, que temam pela sua vida quando vão à escola, ao trabalho ou à Igreja. A atmosfera é de angústia».

À pergunta sobre se acreditava que o conflito no seu país poderia degenerar numa guerra civil, respondeu que «se os ataques continuam haverá uma explosão terrível e o conflito pode alcançar uma dimensão nacional, enfrentando muçulmanos e cristãos».

O jornalista que fazia a entrevista perguntou, então, ao arcebispo onde achava que estaria a solução para o problema. Afirmou ele: «devemos mostrar a humanidade que levamos dentro de nós. É necessário recorrer aos valores religiosos, sociais e tribais, para caminhar para o bem comum. É necessário um esforço de mútua compreensão».

«Como é que esta situação afecta os cristãos»?, perguntou depois o entrevistador. Foi esta a resposta de D. Ignatius: «Boko Haram quer substituir a Constituição nigeriana pela sharia. Quer que toda a gente se converta ao Islão, pela força. Por isso atacam a Igreja e procuram debilitá-la, aterrorizando os cristãos. Quer que não pratiquem a sua religião. De certa forma têm êxito, porque muitos cristãos têm medo de ir à igreja. Ficam em casa, porque temem que expluda uma bomba enquanto estão na Paróquia. Boko Haram não rouba somente a nossa fé, mas também as nossas vidas».

«Há cristãos que exigem vingança contra os muçulmanos, devida às matanças de Boko Haram»?, foi a pergunta do jornalista que se seguiu, e à qual D. Kaigama respondeu: «Os cristãos devem seguir o exemplo de Jesus. Devemos optar pelo amor, pelo respeito. Afirmamos sempre que não nos devemos deixar vencer pela ira. Infelizmente, há pessoas que começam a reagir de forma violenta. Querem vingar-se. Dizem que estão a massacrar os cristãos e por isso é necessário responder. Esta resposta violenta não tem só motivações religiosas e por isso não se pode dizer que se está a dar um levantamento generalizado dos cristãos contra os muçulmanos».

«Os católicos nigerianos sentem-se abandonados pelos católicos doutros países»?, foi a pergunta a seguir, feita pelo jornalista. Em relação a ela, respondeu o arcebispo de Jos: «A Igreja Católica tem uma rede internacional que se ocupa do que se passa na Nigéria. Não, não nos sentimos abandonados. O problema está no Governo nigeriano e também nos Meios de Comunicação Social que não mostram os factos como são realmente, e isso assusta ainda mais as pessoas».

http://www.apostoladodaoracao.pt/index.php/arquivo-mundo/72-os-cris...

 

Nigéria: inaugurado centro inter-religioso - http://www.news.va/pt/news/nigeria-inaugurado-centro-inter-religioso

 

Massacre de cristãos na Nigéria. Dom Kaigama: não temos medo, a fé vence o ódio

http://www.verbonet.com.br/verbonet/index.php?option=com_content&am...

 

Bispo de Kano: “Perseguições e martírio são realidades concretas para muitos cristãos nigerianos”

http://www.fides.org/pt/news/35002-AFRICA_NIGERIA_Bispo_de_Kano_Per...

Exibições: 340

Comentar

Você precisa ser um membro de Ave Luz para adicionar comentários!

Entrar em Ave Luz

Comentário de Maria Aparecida Ricardo em 15 abril 2013 às 18:20

Meu Deus e meu Senhor, me perdoe por muitas vezes não valorizar minha liberdade de culto. Por não aproveitar a democracia do meu país para Te Glorificar e Te servir na paz que aqui reina. Que Nossa Mãe Bendita proteja debaixo do Manto Santo todos os Nigerinos, todos eles, somos todos Filhos de Nossa Senhora! Amém! 

Comentário de Inocencio Francisco Kroetz em 15 abril 2013 às 9:33

Obrigado Fada pela infomação.Que Deus lhes dêem proteção sempre.Isto que está acontecendo é uma pura injustição.Sempre tem algém contra os Cristãos.Meu Deus.

Comentário de MARIA ELISA em 15 abril 2013 às 8:25

OBRIGADA PELA MENSAGEM

© 2020   Criado por Regina Maria.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço