Ave Luz

Alegra-te cheia de graça!

“Depois de dizer isso, Jesus foi elevado aos céus, a vista deles. Uma nuvem os encobriu, de forma que seus olhos não podiam mais vê-lo. Os apóstolos continuavam olhando para o céu, enquanto Jesus subia” (At 1,9-10)

O texto dos Atos dos Apóstolos descreve o centro do mistério que se celebra na Solenidade da Ascensão do Senhor: Jesus sobe aos céus e, a partir daquele momento, sua presença entre nós manifesta-se de outros modos: nos sacramentos, na Palavra, na pessoa do outro e pela vida de união íntima ao Mestre, como um ramo de videira unido ao seu tronco (Jo 15,1-8). Uma presença que se caracteriza pela atividade da Igreja através dos discípulos do Senhor. É nesse sentido que a Ascensão do Senhor conclui, de modo glorioso, a vida pública de Jesus e delega compromissos missionários e  organizacionais à comunidade, aos discípulos e discípulas. 

A história

A origem da Solenidade da Ascensão do Senhor inspira-se nos textos bíblicos que relatam a subida de Jesus aos céus, 40 depois de sua Ressurreição. Os relatos Sagrados relacionam a Ascensão do Senhor com a vinda do Espírito Santo. Jesus sobe aos céus prometendo que enviará o Espírito Santo para sustentar os discípulos na tarefa evangelizadora (At 1,6-8). Este é um dos motivos pelos quais, em algumas Igrejas, era comum celebrar a Ascensão e Pentecostes numa única Liturgia. A separação entre as duas festas, contudo, já é mencionada a partir do século IV, como consta em um Lecionário Armeno e em dois sermões feitos pelo Papa Leão Magno. 

Os textos das missas que descrevem a teologia das antigas celebrações celebram a Ascensão como glorificação de Jesus em vista de confirmar a fé dos discípulos, enviados a evangelizar o mundo. Outro texto diz que a encarnação de Jesus não lhe tirou a glória divina, prova disso é que Jesus subiu aos céus levando consigo a natureza humana. Nesse mesmo tom, uma oração depois da comunhão, do século VIII, proclama a Ascensão do Senhor como promessa que os discípulos de Cristo viverão com Ele na Pátria eterna, pois pela Ascensão, o Senhor abriu as portas para entrar na casa do Pai, canta um longo prefácio do século VIII. 

Um rito que era realizado nesta solenidade era o apagamento do Círio Pascal, depois da proclamação do Evangelho. Com a reforma Litúrgica do Vaticano II, em 1963, esse rito passou a ser realizado na Solenidade de Pentecostes. O Círio é apagado, no Domingo de Pentecostes, durante a Liturgia das Horas (Oração da tarde), após o cântico evangélico.

http://www.catequisar.com.br/texto/materia/celebracoes/ascensao/07.htm

Ascensão de Cristo, ascensão da Humanidade

"Jesus Cristo elevado ao céu, é ícone da humanidade divinizada, isto é, Ele é prova cabal de que Deus cumpriu as suas promessas de unir o céu e a terra, doravante já não há mais barreiras entre o humano e o Divino, este sempre foi o sonho de Deus".

A palavra ascensão significa elevação. Por si só, esta palavra já vem carregada de significado. Elevar é ser colocado numa posição mais alta, de destaque, é reconhecer que aquele que está sendo elevado merece o prêmio por ter cumprido bem a sua missão. Se entre nós humanidade, temos o costume de premiar pessoas que se destacam por seu heroísmo em nossas comunidades colocando as no pódio, então não é difícil entender o significado da festa da ascensão do Senhor. Depois de cumprir a vontade de Deus encarnado-se e tornando se um de nós, chega a hora de Jesus voltar para o Pai. De uma maneira bastante simples, o livro dos Atos dos Apóstolos, faz a seguinte narração: Depois de dizer isso Jesus foi elevado ao céu, à vista deles. Uma nuvem o encobriu de forma que seus olhos não mais podiam vê-lo. (At 1, 9 ) .

A singeleza desta narração, por certo não descreve a grandeza do acontecimento, mesmo porque diante de tão grande mistério as palavras perdem o sentido. Os discípulos estavam estupefatos, paralisados diante de tamanha maravilha, só mais tarde iriam compreender o verdadeiro significado da ascensão do Senhor aos céus. O grande mistério que viria a ser revelado posteriormente é que ao subir para o céu, Jesus eleva consigo toda a humanidade. Lembremos que ao se encarnar ele nos assume por completo e por assumir a nossa humanidade, ele nos redime também por completo. A sua ascensão é também a nossa ascensão. O catecismo Igreja católica resume para nós esse mistério de fé assim: A ascensão de Cristo assinala a entrada definitiva da humanidade de Jesus no domínio celeste de Deus, donde voltará, mas que até lá o esconde aos olhos dos homens. Jesus Cristo cabeça da Igreja, nos precede no Reino glorioso do Pai para que nós, membros do seu corpo, vivamos na esperança de estarmos um dia eternamente com Ele. Tendo entrado uma vez por todas no santuário do céu, Jesus Cristo intercede sem cessar por nós como mediador que nos garante permanentemente a infusão do Espírito Santo.

Jesus Cristo elevado ao céu, é ícone da humanidade divinizada, isto é, Ele é prova cabal de que Deus cumpriu as suas promessas de unir o céu e a terra, doravante já não há mais barreiras entre o humano e o Divino, este sempre foi o sonho de Deus. Em Cristo ressuscitado e elevado ao céu, toda a humanidade participa diretamente da glória de Pai. Quando Deus se torna humano se encarnando por seu filho Jesus, ele o faz por amor e, para realizar o seu plano salvífico recriando novamente não só a humanidade, mas todo o universo. Todo esse universo é então verbificado, transformado pela ação salvadora de Deus. Isso significa que a humanidade assunta ao céu atraída pela ascensão de Jesus, está inserida no seio da comunhão trinitária, é uma humanidade que é permeada pela comunicação direta do Pai do Filho e do Espírito Santo. Portanto de posse deste mistério de tamanha grandeza de Deus em relação a nós, não podemos ficar parados, é preciso sair pelo mundo e espalhar essa Boa Notícia. Vale aqui o conselho dos dois Homens de branco aos discípulos: Homens da Galiléia porque ficais aqui parados olhando para o céu? (At 1, 11) … É missão nossa agora procurar as coisas do alto, romper as velhas amarras que nos prendem, vencer em nós mesmos o egoísmo e partirmos para uma ação libertadora. Precisamos de todas as maneiras possíveis promover a dignidade dos filhos de Deus, contar a todos o que Jesus fez por nós, nos libertando do cativeiro que não nos deixava vislumbrar novos horizontes. Precisamos dizer a todos que somos uma nova humanidade, não há mais lugar para mesquinharias, a glória do Pai está sim entre nós, somos uma Humanidade redimida e, esta redenção precisa se atualizar em gestos concretos de Amor, Solidariedade e Paz, prioritariamente com os excluídos da nossa sociedade. Não poderemos viver plenamente a ressurreição e ascensão do Senhor enquanto tiver irmãos nossos diminuídos.

Jesus nos deu o exemplo, com seu sacrifício nos elevou a todos, nos colocou bem junto do Pai, nós enquanto caminhamos neste mundo temos que dar as mãos aos nossos irmãos oprimidos e elevá-los ao pódio da dignidade humana, para que experimentando a nossa solidariedade façam a experiência da Graça Divina presente no mundo. Assim procedendo, estaremos cumprindo o que disse Jesus: Ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando os em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a observar tudo que eu vos ordenei! Eis que eu estarei convosco até o fim do mundo. (Mt 28,19-20)

http://www.norbal.org/ASCENSAO-DE-CRISTO-ASCENSAO-DA

EM PORTUGAL - DIA DA ESPIGA


HOJE É O DIA DA ESPIGA - QUINTA FEIRA DA ASCENÇÃO

Escrito por Pastoral Juvenil.


A Quinta-feira da Ascensão é uma festa religiosa católica. Há locais onde é mesmo dia feriado. Celebra a ascensão de Jesus ao Céu, depois de ter sido crucificado e de ter ressuscitado.

Quarenta dias depois da Ressurreição, Jesus apareceu pela última vez aos seus discípulos, em Jerusalém, e levou-os ao Monte das Oliveiras.

Depois de lhes ter renovado a promessa do Espírito Santo, ergueu as mãos ao céu e abençoou-os. Nesse instante começou a elevar-se no ar e não tardou que uma nuvem o escondesse dos olhos deles. Como estes continuaram a olhar o céu, apareceram-lhes dois anjos a anunciar que Jesus voltaria do mesmo modo que o viram subir.

Então os discípulos deixaram o Monte das Oliveiras e regressaram a Jerusalém.

Este dia (a Ascensão) ocorre cerca de quarenta dias depois da Páscoa, e é sempre a uma quinta-feira.

E, também, sempre nessa data, celebra-se o Dia da Espiga ou Quinta-feira da Espiga.

Tradicionalmente, de manhã cedo, rapazes e raparigas vão para o campo apanhar a espiga e outras flores campestres.

Com elas, formam um ramo com: espigas de trigo, folhagem de oliveira, malmequeres e papoilas. O ramo pode também incluir centeio, cevada, aveia, margaridas, pampilhos, etc.

Cada elemento simboliza um desejo:

  • A espiga = que haja pão (isto é, que nunca falte comida, que haja abundância em cada lar)
  • O ramo de folhas de oliveira = que haja paz (lembra-te que a pomba da paz traz no bico um ramo de oliveira) e que nunca falte a luz (divina). (Dantes as pessoas alumiavam-se com lamparinas de azeite, e o azeite faz-se com as azeitonas, que são o fruto da oliveira.)
  • Flores (malmequeres, papoilas, etc.) = que haja alegria (simbolizada pela cor das flores - o malmequer ainda «traz» ouro e prata, a papoila «traz» amor e vida e o alecrim «traz» saúde e força)

O ramo é guardado ao longo de um ano, até ao Dia de Espiga do ano seguinte, pendurado algures dentro de casa.

Acredita-se que este costume, que surge mais no centro e sul de Portugal, nasceu de um antigo ritual cristão, que era uma bênção aos primeiros frutos.

No entanto, por ter tanta ligação com a Natureza, pensa-se que vem bem mais de trás no tempo, talvez de antigas tradições pagãs associadas às festas da deusa Flora que aconteciam por esta altura e às quais se mantém ligada à tradição dos Maios e das Maias.

Hoje em dia, nas grandes cidades, as pessoas já não vão colher o Ramo da Espiga (nem há onde...), mas há quem os venda, tendo-os colhido e atado, fazendo negócio com a tradição... E ajudando a preservá-la.

In: http://www.junior.te.pt (adaptado)
O DIA DA ASCENSÃO SERÁ CELEBRADO NO PRÓXIMO DOMINGO

Exibições: 1047

Comentar

Você precisa ser um membro de Ave Luz para adicionar comentários!

Entrar em Ave Luz

Comentário de Maria Helena Mariani em 12 maio 2013 às 9:48
Querida Regina Sílvia

Feliz Dia das Mães,
Obrigada pelas lindas e significativas postagens . Elas nos remetem à fé e ao amor. Estava agora lendo sobre a Ascenção do Senhor e N. S. Do Sorriso para minha querida mãe que está com 93 anos. Ela tem o privilegio de estar sempre em oração com o Santo Rosário em suas mãos . Horas ímpares que Deus nos proporciona Unos com Ele.
Comentário de Maria Aparecida Ricardo em 9 maio 2013 às 18:16

Muito esclarecedor sobre o papel de Cristo feito Homem! Que Jesus e Maria Santíssima nos ajude a cumprir nossa missão terrena também que, como o texto mesmo se refere,"Não poderemos viver plenamente a ressurreição e ascensão do Senhor enquanto tiver irmãos nossos diminuídos." Fiquem na paz do Senhor, amém!

não é possível 

Comentário de Maria Amélia Condeço Ameixoeira em 9 maio 2013 às 14:57

Obrigada por tão vasta informação. Beijos de luz

Comentário de Margaret Ann Forman em 9 maio 2013 às 11:46

Trata-se de meu primeiro comentário nesse blog de Regina. Tenho lido todas as matérias com muita atenção e carinho. Tenho achado esclarecedor mesmo para os estudiosos da Igreja Católica Apostólica Romana, como foi o caso da explicação sobre o Espírito Santo, para mim. Ainda não consegui colocar uma foto de perfil nem enviar endereços de amigos que tenho certeza de ante-mão que ficarão felizes de fazerem parte deste grupo. Afetuosamente, Margaret Ann Forman (margot.forman@hotmail.com).

© 2020   Criado por Regina Maria.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço